HISTÓRIA: Os cognomes, apelidos, sobrenomes ou nomes de família já eram utilizados na antigüidade, dizem os especialistas que o primeiro povo conhecido a se utilizar de sobrenomes foram os chineses.

Entre as historias mais famosas distingue-se a do imperador Fushi que decretou o uso de sobrenomes (ou nomes de família) no ano 2850 a.C.

Os romanos possuíam um sistema próprio de distinguir uma pessoa de outra pelo nome e por outros apostos a ele, pela historia desse povo, julga-se que este sistema tenha surgido em épocas remotas e que já fosse de uso comum logo após o inicio da expansão do poderio de Roma, os romanos possuíam um sistema pelo qual identificavam no nome do indivíduo qual seu clã de origem, foi uma forma de se identificar um grupo familiar em especifico, porem, com a queda do Império Romano em 476 d.C. este sistema virtualmente deixou de existir, caindo em desuso.

Na idade média (476-1453) passou, pois, a vigorar tão somente o nome de batismo para designar, distinguir e caracterizar as pessoas. Fala-se em nome de batismo porque, na época da queda do Império Romano Ocidental, a península itálica já era praticamente toda cristã. Por outro lado, os povos invasores foram cristianizados em massa no período que se segue à desagregação do Império. O cristianismo se tornou um elemento aglutinador que aproximou todos estes povos.

O estabelecimento de vários povos estrangeiros introduziu uma grande variedade de nomes e palavras que paulatinamente foram sendo latinizadas, salienta-se que os povos estrangeiros não possuíam a tradição da sobrenominização das pessoas, fato este que influiu sistematicamente no abandono de tal costume.

O aporte de grande acervo de novos nomes, trazidos pelos povos invasores, principalmente germânicos, o abandono da sistemática latina de individualizar pessoas, a influencia do cristianismo que difundia os nomes de seus mártires e santos criaram uma confusão generalizada. Os nomes se repetiam com freqüência o que tornava difícil distinguir um indivíduo de outro.

Surgiu então a necessidade de se estabelecer uma modalidade para se distinguir um cidadão do outro, para tal finalidade foram criadas algumas formulas que auxiliavam em tal distinção.

Na verdade, não foram estabelecidas normas baixadas pôr autoridades, mas sim o surgimento de um modo espontâneo na pena do escrivão, no convívio social e na linguagem popular que inventava formas para distinguir os dez ou vinte Johannes (João) que viviam na mesma comunidade.

Os primeiros registros do uso de sobrenomes familiares como hoje os conhecemos foram encontrados por volta do século VIII, ou seja após o ano 701 d.C.

Na Inglaterra por exemplo, só passaram a ser usados depois de sua conquista pelos normandos, no ano de 1066. Foi só no inicio do renascimento que os cognomes voltaram a ter aceitação geral.

No ano de 1563, o Concílio de Trento concretizou a adoção de sobrenomes, ao estabelecer nas igrejas os registros batismais, que exigiam, além do nome de batismo, que teria de ser um nome cristão, de santo ou santa, um sobrenome, ou nome de família.

Origem e significado

Para a origem do sobrenome familiar italiano Vermiglio existem duas hipótese sendo que ambas podem ter gerado diferentes ramos familiares.

O termo Vermiglio vem do latim "vermiculum" através do provençal "vermelh" cuja tradução seria "vermelho", "da cor vermelha".

A primeira hipótese o classificaria como sendo um toponímico, palavra derivada do grego, composto de "tópos" (lugar) + "nomos", nome: designação de sobrenomes derivados de lugares ou acidentes geográficos.

Nestes casos, topônimos nada tem a ver, diretamente, com apelidos da família mas, sim com o estudo da origem dos nomes de acidentes geográficos que, pôr sua vez foram adotados como sobrenome em muitas famílias.

Os sobrenome englobados sob o titulo de toponímico são geralmente mais fáceis de serem reconhecidos do que os demais, pelo fato de se reportarem a um determinado local, a um espaço físico, a um ponto de referencia especifico, situado no tempo e no espaço.

Grande parte dos toponímicos se originou diretamente da denominação de uma cidade, de um povoado ou de uma região, normalmente o uso como sobrenome familiar repete o próprio nome da localidade ou faz uso do gentílico.

Ao mesmo tempo devemos salientar que muitas outras famílias, nascidas nestas localidades, também adotaram-na como sobrenome familiar, desta forma nunca pode-se afirmar que duas pessoas que se utilizem do mesmo toponímico como sobrenome sejam parentes sem antes fazer uma averiguação detalhada em suas arvores genealógicas.

Esta hipótese baseia-se na existência de algumas localidades cujo nome fora Vermiglio, principalmente a Comune di Vermiglio localizada na província de Trento.

A segunda hipótese o considera como sendo derivado de um apelativo popular ou seja uma alcunha (apelido) atribuída ao fundador deste tronco familiar.

A utilização de alcunhas como sobrenome familiar não foi uma das formas mais difundidas porem são encontradas em numero bastante razoável, em média representam algo em torno de 15% dos sobrenomes conhecidos.

Geralmente acontecia quando a alcunha tornava-se mais importante que o nome verdadeiro de tal pessoa, sendo esta mais conhecida por seu apelido que por seu nome de batismo. Surgiram como referencia a características físicas, intelectuais, morais, a atitudes comportamentais, a fatos peculiares ou insólitos.

Com o passar do tempo e com o uso do mesmo termo por diversas pessoas como nome de família o mesmo perdeu suas características jocosas e passou simplesmente a identificar os membros deste clã.

Nesta, uma pessoa que possuísse os cabelos, a barba ou talvez até a pele em tons de vermelho (ruivo), pode ter sido conhecido em algo como "il Vermiglio" (o vermelho).

Desta forma, alguém cuja origem tenha sido a localidade de Vermiglio ou cujas características o fizessem ganhar tal alcunha, teve um filho o qual foi então conhecido como "Fulano Filius Vermiglio", o filho deste, ou melhor, neto do patriarca original simplesmente se utilizou do termo após o primeiro nome como forma de se identificar como descendentes daquele Sr., sendo conhecido então como "Sicrano Vermiglio", o repasse do termo de geração em geração acabou por transforma-lo em um sobrenome na forma como nos chegou aos dias de hoje.

Interessante

Vermiglio é uma comuna italiana da região do Trentino-Alto Ádige, província de Trento, com cerca de 1.856 habitantes. Estende-se por uma área de 103 km2, tendo uma densidade populacional de 18 hab/km2. Faz fronteira com Peio, Ponte di Legno (BS), Ossana, Pellizzano, Giustino, Spiazzo, Strembo, Carisolo.

Heráldica

A heráldica surgiu durante as Cruzadas e rapidamente se espalhou por toda a Europa, basicamente fora utilizada para identificar os soldados em batalhas campais já que os soldados não podiam ser reconhecidos apenas por suas armaduras e/ou elmos.

Porem somente após o século XII começou a obedecer preceitos gerais, no século XIII a heráldica tornou-se tão popular que passou a existir como uma ciência a parte, na verdade a heráldica foi considerada como uma ciência e arte.

Os brasões não eram dados ao acaso para cada pessoa, inicialmente tiveram suas origens em atos de coragem e bravura efetuados por grandes cavaleiros, tendo sido uma forma de homenagear os lutadores e suas famílias, posteriormente, como era um forte ícone de status passou a ser conferido a famílias nobres a fim de identificar o grau social da mesma, em resumo, somente os heróis ou a nobreza possuíam tal ícone e o poderiam transmitir a seus descendentes.

A palavra brasão vem do alemão arcaico Brazen e significa "tocar trombetas", de fato, os arautos antes de lerem os decretos tocavam trombetas com bandeirolas blasonadas para chamara atenção dos passantes.

Na idade média (476-1453), os heraldistas (heraldos) eram as pessoas que dirigiam os torneios e examinavam a qualidade dos cavaleiros que, por sua vez, usavam o brasão de armas no qual figuravam os símbolos de sua nobreza.

Portanto, o brasão era, para os antigos da Idade Média, a insígnia, a bandeira da família e, como tal, honrado e transmitido de pai para filho.

Na Inglaterra os heraldistas eram formados pelo Colégio de armas (1484), já na Escócia pela Corte do Lord Lyon (1592).

As armas da família Vermiglio foram:

"D'azzurro alla fascia d'oro accompagnata in capo da tre stelle dello stesso, male ordinate, e in punta da un ramo di rosa fiorito, bottonato e fogliato al naturale."

Ou seja;

"Em campo azul, uma faixa em ouro acompanhada em chefe por três estrelas no mesmo metal, abaixo da faixa um ramo de rosa, florido e folhado ao natural"

Conforme figura:

Distribuição

O sobrenome familiar Vermiglio foi originário da Itália, e ainda nos dias de hoje o encontramos distribuídos por diversas regiões italianas, como podemos verificar no mapa abaixo.

Este mapa foi feito com base em listas telefônicas (ano base 2000), a legenda refere-se ao numero de assinantes encontrados, como normalmente um telefone que é utilizado por diversas pessoas está registrado apenas no nome de uma delas concluímos que o mapa no da uma visão aproximada da distribuição geral de pessoas com tal sobrenome nestas localidades.